News

Primeiro-ministro do Reino Unido, Starmer, promete forte apoio à Ucrânia em estreia internacional

Starmer se encontrará mais tarde com Biden na Casa Branca.

Washington:

O novo primeiro-ministro Keir Starmer prometeu na quarta-feira manter o firme apoio da Grã-Bretanha à Ucrânia e deu sua bênção aos ataques dentro da Rússia com mísseis britânicos ao fazer sua estreia internacional em uma cúpula da OTAN em Washington.

A mensagem incansável de Starmer sobre continuidade na Ucrânia surge em um momento em que crescem as dúvidas sobre o parceiro mais importante de Kiev, os Estados Unidos, onde o candidato presidencial Donald Trump cogitou fechar um acordo rápido com a Rússia.

Dias depois de seu Partido Trabalhista vencer as eleições e expulsar os conservadores que estavam no poder há 14 anos, Starmer disse que teve uma reunião “muito boa” com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, à margem da cúpula do 75º aniversário da OTAN.

“Deixei bem claro que, no que diz respeito ao Reino Unido, a mudança de governo não faz diferença no apoio que forneceremos”, disse Starmer aos repórteres.

“Estávamos unidos nisso quando estávamos na oposição, e foi muito importante para mim poder afirmar isso cara a cara na reunião”, disse Starmer, que já havia falado com Zelensky por telefone depois de entrar em Downing Street.

Em seu voo para Washington, Starmer disse que as decisões sobre o uso dos mísseis Storm Shadow fornecidos pelos britânicos cabiam às forças armadas ucranianas.

A ajuda militar do Reino Unido é “para fins defensivos, mas cabe à Ucrânia decidir como distribuí-la para esses fins defensivos”, disse ele.

A Grã-Bretanha, sob o comando de três primeiros-ministros conservadores, tem sido um dos maiores apoiadores da Ucrânia na guerra, assumindo a liderança na pressão por sistemas militares mais avançados e restrições mais flexíveis a Kiev.

O presidente dos EUA, Joe Biden, que apoiou fortemente a Ucrânia, mas teve o cuidado de não iniciar um conflito direto com a Rússia, recentemente fez uma ação semelhante ao permitir que a Ucrânia atacasse posições ofensivas russas do outro lado da fronteira com armas dos EUA.

Zelensky comemorou a decisão sobre os mísseis Storm Shadow, escrevendo no Telegram: “Obrigado pelo seu apoio contínuo à Ucrânia e ao nosso povo!”

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, alertou que a Rússia tomará “medidas apropriadas” em resposta à decisão de Starmer.

“Se for verdade, certamente é mais um passo absolutamente irresponsável para alimentar tensões e agravar seriamente a situação”, disse Peskov aos repórteres.

– 'Olhos claros' sobre a Rússia –

Starmer se encontrará mais tarde com Biden na Casa Branca e falou com outros líderes ocidentais, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron.

Starmer levou o Partido Trabalhista a um caminho mais centrista do que seu antecessor esquerdista e, juntamente com seus secretários de Relações Exteriores e Defesa, todos observaram em Washington que a Grã-Bretanha ajudou a fundar a OTAN em 1949, sob o comando do primeiro-ministro trabalhista Clement Atlee.

Starmer disse que esperava que a cúpula da OTAN enviasse uma mensagem ao presidente russo, Vladimir Putin, de que a aliança está “maior agora do que nunca, mais unida do que nunca e absolutamente ciente da ameaça de agressão russa”.

Uma cúpula da OTAN na Grã-Bretanha em 2014 estabeleceu uma meta de cada aliado contribuir com pelo menos dois por cento do PIB para a defesa, uma antiga demanda dos Estados Unidos.

Somente os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a Grécia atingiram a meta, mas desde a invasão da Ucrânia o número aumentou para 23 membros da aliança de 32 nações.

O novo secretário de defesa britânico, John Healey, pediu que a OTAN considerasse avançar em direção a uma meta de 2,5%.

As crescentes ameaças ao redor do mundo sugerem que “todas as nações da OTAN precisarão fazer mais do que apenas dois por cento”, disse Healey aos repórteres.

Ele disse que, seja qual for o resultado das eleições nos EUA, as prioridades de Washington “vão mudar cada vez mais para o Indo-Pacífico”.

“As nações europeias na OTAN devem fazer mais do trabalho pesado”, disse Healey.

(Com exceção do título, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button